Pela Promoção dos Direitos das Juventudes

Rede Ecumênica da Juventude (REJU)

Notícias

3° Encontro Nacional da Nação Hip Hop

O 3° Encontro Nacional da Nação Hip Hop realizou-se de 28 a 31 de janeiro de 2010, na cidade de São Vicente, SP, e contou com a participação de jovens com bastante atitude, de diversas partes do país e de outros países também.

Teve como objetivo mostrar para a sociedade que o Hip Hop é um movimento cultural que pode e faz a diferença na vida de muitas pessoas nos dias de hoje, buscando se organizar politicamente, sem deixar que a sua cultura, caia em mãos de empresários que querem institucionalizá-la, como já foi feito com o samba e outras culturas.

Foram discutidos vários temas como: "Hip Hop Passado, Presente e Futuro", "Liberdade de Expressão", "Lugar de Mulher é na Cozinha ou no Hip Hop?", sempre pelos víeis da educação, da sexualidade, da juventude encarcerada, pelas políticas públicas para a periferia e etc. Também ocorreram várias oficinas de graffiti, apresentação de filmes e mostras culturais. Na parte da noite, shows de vários grupos de hip hop e rap de todo o país e alguns internacionais.

No 3° Encontro Nacional da Nação Hip Hop, os jovens participantes viram e aprenderam que atitude, boas idéias e determinação podem transformar a realidade de muita gente que não tem espaço na sociedade. E para que as transformações aconteçam, deverão ser criados espaços dentro das escolas, faculdades, que possibilitem uma reflexão mais ampla das temáticas da cultura Hip Hop.

O encontro também destacou a importância de se criar leis que garantem a sobrevivência da cultura Hip Hop dentro dos estados, seguindo exemplo do estado do Rio Grande do Sul.

O Hip Hop como qualquer outro espaço de militância, não pode fechar os olhos para estas questões, assumir de fato espaços políticos dentro de instituições não governamentais, políticos partidários, cargos públicos, etc.

Pois mais do que nunca o mundo tornou-se uma grande rede, e agora temos que sempre estar atento para que nenhum elo desta rede se rompa.

A REJU ganha espaço dentro do movimento Hip Hop, justamente quando o mesmo abre espaço para tais discussões muito pertinentes à REJU, como por exemplo: questões sobre homofobia, de gênero, diversidade religiosa e étnica racial. Debates sobre o quanto a juventude esta sendo marginalizada, pelo fato de não terem os seus direitos garantidos em Lei.

Participaram pela REJU:
Priscila Batista - Profec - REJU SE
Timoteo Greff - Trilha Cidadã - REJU Sul
Hip Hop