Pela Promoção dos Direitos das Juventudes

Rede Ecumênica da Juventude (REJU)

Notícias

A REJU apoia essa luta em favor de uma agricultura sustentável, sem a utilização de agrotóxicos!

O dia 3 de dezembro é marcado pela luta mundial contra os agrotóxicos. A REJU apoia essa luta em favor de uma agricultura sustentável, rentável, sem a utilização de agrotóxicos, alinhada às causas socioambientais, e sem a subjugação de grandes corporações.

Segundo dados da Agência Nacional de Segurança Sanitária, o mercado brasileiro de agrotóxicos é o maior do mundo, trazendo consigo uma vasta gama de prejuízos à saúde, aos produtores/as rurais e ao meio ambiente.

Estudos realizados pela Universidade Federal do Rio de Janeiro apontam que o consumo a longo prazo de alimentos que receberam agrotóxicos causam problemas de saúde aos agricultores/as e aos consumidores/as, tais como diversos tipos de câncer. O uso dos agrotóxicos também contamina a terra, a água e o ar, desestimula a produção de orgânicos, e muitas vezes introduz o cultivo de organismos transgênicos e monoculturas nas lavouras, o que causa um impacto ambiental negativo ainda maior, além de fazer com que os/as agricultores/as percam a soberania sobre suas sementes, ficando reféns de grandes empresas multinacionais.

Uma agricultura livre de agrotóxicos é possível e necessária, e já está sendo praticada com sucesso no Brasil e no mundo. Merecem destaque e atenção os notáveis esforços de conscientização sobre a causa ambiental levantados pela Dra. Vandana Shiva, na Índia, com a questão da preservação das sementes crioulas; de Pierre Rabhi, na Argélia, com sua produção agroecológica; e do Ecocentro IPEC, no cerrado brasileiro, referência na América Latina na disseminação dos conhecimentos permaculturais.

Neste 3 de dezembro, gostaríamos de manifestar nosso mais profundo respeito, admiração e apoio as famílias agricultoras que cultivam produtos orgânicos, além de estimular a consciência alimentar naquelas pessoas que têm um grande poder de decisão na economia: as consumidoras e consumidores.

Rede Ecumênica da Juventude – REJU, 03 de dezembro de 2014.

Justiça Socioambiental