Pela Promoção dos Direitos das Juventudes

Rede Ecumênica da Juventude (REJU)

Notícias

A REJU terá novos facilitadores

28-05-2012

A REJU - em seu processo de renovação e empoderamento de novas lideranças - terá novos facilitadores nas regionais do Paraná e no Centro-Oeste. Serão os jovens Lucas Correa (REJU-CO) e Elton Tada (REJU-PR). Eles seguirão os caminhos e trabalhos já realizados pelas facilitadoras Tatiana Ribeiro (REJU-CO) e Lourença Santiago (REJU-PR).

Ambas construíram excelentes ações em nossa rede, ligaram os primeiros fios, criaram nós que demonstram as forças e os vínculos de nossa amizade e trabalho, aumentaram as linhas dessa rede, trouxeram outras(os) para conosco tecer novas histórias e vivências. Foram passos no CONJUVE (Conselho Nacional de Juventude), no Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC), no Conselho Latino-americano de Igrejas (CLAI), na Pastoral de Juventude da Igreja Católica Romana, nos movimentos de juventude, em nossa caminhada de fé/luta...

Agradecemos ao trabalho destas jovens, que continuarão ligadas à rede, mas com outras atividades; e acolhemos os novos facilitadores para esta nova atuação, que assumirão estas funções na Caravana da Juventude Ecumênica (Cúpula dos Povos).

Lucas Correa

Sou Lucas Correia, nasci em 22/07, tenho 17 anos, sou estudante secundarista, cristão e moro na periferia de Brasília, na Cidade-Satélite do Gama-DF. Comecei a caminhada eclesial junto à Igreja Católica Romana, aos 9 anos de idade. Onde trabalhei como cerimoniário litúrgico, membro da Rede CELEBRA de animação litúrgica, coordenador arquidiocesano da Pastoral da Juventude da Arquidiocese de Brasília, colaborador das Comunidades Eclesiais de Base (a CEB) e de vários outros trabalhos da ICAR. Ainda estudei Teologia Pastoral, liturgia e estudo da Bíblia na Casa da Juventude Pe. Burnier, em Goiânia.

Elton Tada

Natural de Fênix- Pr, fui criado em Engenheiro Beltrão-Pr. Filho de pai japonês e mãe brasileira, convivi com a diversidade cultural fronteiriça desde minha infância. Minha educação religiosa se deu na Igreja Presbiteriana do Brasil. Aos vinte anos me formei em Bacharel em Teologia, aos vinte e dois defendi minha dissertação de mestrado em Ciências da Religião na UMESP, onde faço atualmente meu doutorado. Meu pai, ex-bancário do banco do estado do Paraná, sempre foi sindicalista e foi nesse nicho de luta pelos direitos trabalhistas, diversidade cultural e religiosa que se desenvolveu o aspecto ecumênico e militante que se apresenta hoje em minha identidade.

Facilitador