Pela Promoção dos Direitos das Juventudes

Rede Ecumênica da Juventude (REJU)

Notícias

Denúncia dos atos de violação que os povos de terreiros do Estado de Pernambuco vem sofrendo

19-07-2015

Nós, jovens da Rede Ecumênica de Pernambuco, que compomos essa rede nacional de jovens que lutam por justiça e o fim da intolerância religiosa, queremos denunciar os atos de violação que os povos de terreiros do Estado de Pernambuco vem sofrendo. Outro dia, soubemos através do Fórum de Diversidade Religiosa do Estado de  mais um  caso triste que vêm acontecendo com o Baba Jackson o mesmo vêm sofrendo violência psicológica e sendo ameaçado de morte e impedido de praticar seus rituais na frente do seu terreiro. Seu Ilê fica localizado  na antiga Rua 8, atual Rua das Palmeiras Rosa Selvagem, UR-7, na Várzea.

Em menos de um mês, o povo de terreiro da Cidade de Moreno, região metropolitana do Recife, foram atacados nas redes sociais por terem realizado uma celebração pública na principal praça da cidade: Praça da Bandeira.  Diante dessa conjuntura de intolerâncias, queremos reafirmar nosso compromisso enquanto rede local de denunciar esses atos de discriminação religiosa. Queremos prestar total apoio a essa carta de repúdio que foi escrita pelo líder religioso  Alan Davidson ( Pai Alan).

No mais, subcrevo-me 

Tairine F. Pimentel
Facilitadora da Rede Ecumênica de Pernambuco e estudante de Ciências Sociais na Universidade Federal de Pernambuco.

 

"ODÙN ÌYÁ OMI ODÒ /Ano III

A Festa da Mãe das Águas do Rio - 2015

NOTA DE REPÚDIO

A alguns dias atrás um infeliz comentário circulou as redes sociais em crítica as homenagens ao Orixá OXUM realizadas na Praça da Bandeira, diante dos fatos vimos pelo presente esclarecer a comunidade em geral:

É lamentável que em pleno século XXI, ainda no deparemos com tamanha regressão intelectual, é preciso que a sociedade despertem para compreender que só poderemos falar em uma sociedade sem violência quando formos capazes de conviver com o diferente e que o respeito deverá ser sempre o primórdio da sociedade.

Se faz necessário que todos saibam que o evento aqui citado é resultado do esforço incansável das Comunidades Tradicionais de Religiões de Matrizes Africanas do Moreno, pessoas que acreditam em uma sociedade melhor. Enquanto o povo de Terreiro se mobiliza e exercita sua cidadania, algumas pessoas limitam-se em criticar e tentar com comentários infundados descaracterizar a maestria e importância social deste movimento.É importante dizer que o evento não foi realizado pela Prefeitura Municipal do Moreno, mas sim apoiado, como é papel do poder público apoiar todo a qualquer evento social do município independentemente de que segmento ele represente.

É injusto querer alegar que as dificuldades de se administrar um Município, um Estado, ou até mesmo um país, se dão por conta do apoio a determinado segmento religioso, até mesmo porque se religião resolvesse problemas políticos, o Brasil não estaria em resseção, tendo em visto que as maiores bancadas nas câmaras municípais, estaduais e federais, bem como o senado são bacadas evangélicas. 

Com relação ao termo MACUMBA, utilizado no comentário é importante dizer que a forma utilizada foi de ordem pejorativa, logo não nos representa, porém para os menos esclarecidos é importante explicar que o termo MACUMBA é Africano e representa uma árvore da qual é extraído a madeira da qual é feito um instrumento musical de percussão de nome MACUMBA. Outro significado para esta palavra é CADEADO, FECHADO, para fazer relação as cerimônias religiosas de portas fechadas, assim sendo muitas religiões realizam a MACUMBA, como por exemplo as Igrejas Protestantes quando realizam seus retiros e suas vigílias, a Igreja Católica quando realizam os Conclaves e etc.

A Constituição Nacional e as Leis Brasileiras nos a seguram o direito de culto Religioso. e torna CRIME INAFIANÇÁVEL, qualquer forma de DESCRIMINAÇÃO.Com relação as pessoas que realizaram críticas ao nosso evento gostaria de convidá-los a se juntar a nós nesta luta contra o RACISMO, o PRECONCEITO, a DESCRIMINAÇÃO e a INTOLERÂNCIA RELIGIOSA, e lembrem-se que juntos somos fortes, as Comunidades Tradicionais de Religiões de Matrizes Africanas estão fazendo sua parte na contribuição da formação de uma sociedade mais justa, e vocês, vã se limitar a ficar no campo das CRÍTICAS?

Gostaria de me despedir com uma frase de Nelson Mandella que gosto muito e que diz:NINGUÉM NASCE ODIANDO OUTRA PESSOA PELA COR DE SUA PELE, SUA ORIGEM,OU ATÉ MESMO POR SUA RELIGIÃO. PARA ODIAR AS PESSOAS PRECISAM SEREM ENSINADAS. ENTÃO SE ELAS PODEM APENDER A ODIAR, TAMBÉM PODEM SEREM ENSINADAS A AMAR!

Ass.: Alan Davidson (Pai Alan)"

juventude estado laico intolerância rede