Pela Promoção dos Direitos das Juventudes

Rede Ecumênica da Juventude (REJU)

Notícias

Grito dos(as) Excluídos(as) em São Paulo

6-09-2015

Com o lema “Que país é este, que mata gente, que a mídia mente e nos consome”, a 21ª edição do Grito dos(as) Excluídos(as) aconteceu em São Paulo, sob forte chuva.

Ao lado de outros movimentos populares, a Rede Ecumênica da Juventude - REJU, a Pastoral da Juventude - PJ e o coletivo 'Jesus cura a homofobia', participaram nesta segunda-feira (7) do Grito dos(as) Excluídos(as), para cobrar a realização de reformas de base pelo governo e o Congresso brasileiro e posicionar-se contra a agenda conservadora manifestada nos últimos tempos.

Para os organizadores do Grito, houve muitos avanços sociais na última década, mas também setores em que os avanços foram mínimos e sobre os quais é preciso pressionar o poder público para evitar retrocessos.

Com boniteza, música e poesia, esses coletivos religiosos pautaram a garantia de direitos da juventude, em especial, a negra e periférica, disseram não ao encarceramento dos jovens, não a homolesbotransfobia e não à redução da maioridade penal.

Com frases de impacto, intercaladas com gritos de ordem dos participantes, a hashtag ‪#‎NãoEmMeuNome‬, voltou a ser mencionada:

- Fechar as comunidades de fé para crianças e adolescentes, especialmente, aquelas oprimidas e empobrecidas;
#NãoEmMeuNome

- Omitir ou deixar de denunciar, em nome da religião, violações dos direitos humanos; 
#NãoEmMeuNome

- Utilizar-se de argumentos religiosos para apoiar a redução da maioridade penal; 

#NãoEmMeuNome