Pela Promoção dos Direitos das Juventudes

Rede Ecumênica da Juventude (REJU)

Notícias

Juventude, ecumenismo e direitos - 2º encontro da REJU SP

No sábado, dia 16 de Abril, a REJU-SP reuniu seus integrantes e convidados na aconchegante Paróquia Anglicana da Santíssima Trindade, em São Paulo. Éramos cerca de 30 pessoas. Quantidade mais que suficiente para ratificar a face diversa da REJU-SP, o grupo foi composto por cristãos católico-romanos, anglicanos, luteranos, metodistas, presbiterianos, batistas e pentecostais, além da presença de pessoas da umbanda, agnósticos da militância político-social e outras/os sem confissão religiosa.


Nossos primeiros momentos foram marcados por bate-papo informal e pelas guloseimas de boas-vindas, simpaticamente preparada pelo membros da paróquia.

Como extensão desse ambiente de irmandade e comunhão demos início ao movimento de mística e espiritualidade. Usamos a palavra movimento, pois, se compreendemos o ecumenismo enquanto ação e fé a caminho, nossa mística não é inerte e nem fixista. Ao contrário, afirmamos que a espiritualidade que marca as reuniões da REJU-SP é complexa e mutante. A partir disso, durante essa “via de fé”, trabalhamos com vários símbolos e diferentes textos que corroboram à compreensão da diversidade da vida e das religiões. Ao som de Chopin, ouvimos o que cada dupla percebeu diante desses símbolos. Em suma, notamos que tanto textos quanto símbolos convocam-nos a: I) entrever horizontes que estão além de nossas necessidades imediatas; II) experimentar as possibilidades plurais da mística ecumênica; III) vivenciar tal mística como jornada integral, a qual se realizar intimamente e interpessoalmente.

A segunda parte de nossa manhã foi dedicada a dois painéis de formação, sob o título “Juventudes, ecumenismo e direitos”. O primeiro, dirigido por Leonardo Ostronoff, visou transmitir um panorama da juventude no Brasil. Para ressaltar a complexidade desse tema, fomos desafiados a definir, em uma palavra, o que é juventude: Força, Criatividade, Coragem, Felicidade, Liberdade, Poesia, Não-saber, Paixão, entre outras palavras foram associadas à juventude. Com isso, ficou claro que esse termo é contingente e simbólico. Embora a idéia de juventude seja ampla, o que foi destacado pelo Ostronoff foi a forte tendência consumista que jovens brasileiros/as desenvolveram nos últimos anos. Com clara influência de princípios capitalistas e neoliberais, percebemos que a juventude brasileira está enfraquecida em suas demandas de coletividade (p. ex.: luta por direitos políticos, luta por direitos de formação escolar e universitária e etc.) e assumiu certa indiferença em relação aos movimentos sociais brasileiros. Por fim, Ostronoff destacou a necessidade de multiplicação de crítica e formação que nós integrantes da REJU-SP temos diante desse quadro.

O segundo painel, dirigido por Daniel Souza, abordava o tema conjugado “Ecumenismo e Direitos”. Durante a fala, ele destacou a importância da juventude cristã leiga na origem e desenvolvimento dos movimentos e grupos ecumênicos. Ao fazê-lo proporcionou a todos nós uma reflexão sobre a atual atitude de repulsa que as juventudes cristãs (especialmente as evangélicas) dirigem as demais religiões mundiais. Além disso, ficou em destaque o caminhar em parceria entre ecumenismo e luta por direitos humanos. Essa parceria fortalece os princípios da REJU-SP e nos adverte a não dividir espiritualidade ecumênica e busca por dignidade à juventude brasileira. Ambas são processuais e estão em travessia. Tanto a vivência ecumênica quanto a conquista de direitos pelas/os jovens são caminhos que não se esgotam com determinadas conquistas. Uma dessas conquistas está demonstrado pela última pesquisa da CONJUVE, cujo resultado indica que as/os jovens mais articulados/as em movimentos sócio-políticos são religiosos/as. Sendo assim, a luta por uma cultura de paz entre as religiões e por direitos à vida na juventude se tocam, se abraçam e se beijam. Isso nos lembra um salmo que diz: “A misericórdia e a verdade se encontraram; a justiça e a paz se beijaram.” (Sl 85,10).

Após o painel, aconteceram as reuniões das comissões da REJU-SP (Comissão de Acompanhamento de Políticas Públicas para a Juventude; Comissão de Capacitação, Mobilização e Campanhas, Comissão de Convênios, Parcerias e Sustentabilidade e Comissão de Comunicação). Foram apresentadas as atividades desempenhadas por cada grupo nos meses de março a abril e os objetivos propostos para os meses seguintes, de maio a junho. Como conclusão, participamos de um delicioso almoço preparado por membros da própria paróquia, finalizando nossa reunião como de costume: com festejo e comunhão.

Próximo encontro: 18 de junho – Igreja Luterana (Av. Rio Branco, 63 – São Paulo).
Texto: Hugo Alonso (REJU-SP)
ecumenismo direitos REJU SP