Pela Promoção dos Direitos das Juventudes

Rede Ecumênica da Juventude (REJU)

Notícias

O FEIRANTE, AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ, O VENDEDOR DE OVOS E O POLICIAL

23-02-2017

Eu sei, eu sei. O título tá grande. Meio estranho. Mas não se avexe. As frases são curtas. Rápidas de ler. Pelo menos a maioria. Dá pra ler numa sentada. Pode acreditar. Tô te falando, pô. 5 minutos. Cravados. Enfim. Chega de lero-lero. 

Tudo começou por causa da camiseta da Reju. Aquela branca, bonitona, com umas letras bem desenhadas na frase, Amém, Axé, Awere, Aleluia, Namastê, Liberdade Religiosa Pra Mim e Pra Você. Cê já deve ter visto uma dessas por aí. Certeza. Vesti a minha e fui fazer a feira. 

Toda sexta tem feira de rua em frente a minha casa. Pra ser mais exato, na frente de casa fica a barraca de laranja. É só abrir o portão e escolher as amarelinhas. Ótimas pra suco. Em casa são 4 dúzias por semana. 

Nisso, o Seu Luiz, vendedor de laranjas, ficou mirando na frase da camiseta. Reclamou que não estava conseguindo ler. Daí dei aquela estufada no peito. E com as mãos estiquei o pano até ele conseguir. 

Seu Luiz disse que esse lance de intolerância religiosa é coisa séria. Muito séria. Que ele já tinha sido Testemunha de Jeová, hoje não tinha mais religião, mas respeitava a dos outros. Que uma vez passou aperreio danado. Um constrangimento lascado. Nunca esqueceu. 

Perguntei o que tinha acontecido. E ele, entre um troco feito, laranjas ensacadas, um trago no cigarro, começou a contar, Cê sabe que as Testemunhas de Jeová tem o costume de passar de rua em rua, de casa em casa, pra compartilhar da palavra de Deus pras pessoas, num sabe? Então, naquele sábado, eu e mais um grupo de pessoas estávamos falando de Deus para os moradores de uma rua que fica ali no centro de Guaianases, De repente, uma Kombi com alto-falante adaptado no teto dobrou a esquina e começou a anunciar que estava passando por ali o carro de ovos, com ovos fresquinhos, ovos selecionados, direto da granja, ovos de boa qualidade, aquela coisa e tal, À medida que o carro se aproximava do nosso grupo, o vendedor parou de anunciar os ovos e passou a dizer bem assim, Cuidado pessoal, está passando pela sua rua as Testemunhas da Mentira, Não abram as portas, os Chatonildos de Jeová estão mentindo em sua rua, enchendo o saco e com mentiras deslavadas, Falsos profetas, Nem igreja eles são, São é seita, Hereges, Bando de hipócritas, E o vendedor de ovos foi falando, falando, xingando, xingando, a gente já de cabeça baixa, numa vergonha terrível, quando uma viatura policial com vidros abaixados recortou a rua na marcha lenta, Os dois policiais ouvindo aquilo, prestando atenção, Seguiram na direção da Kombi, Pararam bem na frente e mandaram o vendedor de ovos descer, Um dos fardados deu aquele esculacho no vendedor, Não consegui ouvir bem o que dizia, mas percebi nos gestos a brutalidade nos braços, as caretas, o vendedor se encolhendo, murchando, enrugando, voltando pra dentro da Kombi, enquanto o policial foi até a porta do veículo e fez sinal pra mim, pra nós, pro nosso grupo, nos chamando, Assim que chegamos meio perto, o policial perguntou se estávamos incomodados com o absurdo daquela situação, Respondi que sim, que aquilo não deveria ser feito, nos expor daquela maneira era desagradável, estávamos envergonhados, tristes e coisa e tal, Na mesma hora o policial olhou para o vendedor de ovos e nos disse que ele iria se desculpar, O vendedor com o microfone nas mãos passou a repetir as palavras que o policial ditava, Pessoal, Pessoal, Gostaria de pedir, Gostaria de pedir, publicamente, publicamente, desculpas por ofender, desculpas por ofender, as Testemunhas de Jeová, as Testemunhas de Jeová, Perdão, Perdão, Isso nunca mais, Isso nunca mais, vai acontecer, vai acontecer, Diz aí: Fui um idiota, Fui um idiota, Um otário, Um otário, E sempre que eu ver, E sempre que eu ver, qualquer grupo de Testemunhas de Jeová, qualquer grupo de Testemunhas de Jeová, irei oferecer, irei oferecer, o microfone e alto-falante, o microfone e alto-falante, para ajudá-los, para ajudá-los, em sua missão de pregação, em sua missão de pregação, de anunciação, de anunciação, da palavra de Deus, da palavra de Deus, E agora pra terminar diz aí: Vocês me perdoam?, Vocês me perdoam?, Daí eu falei pro policial que aquilo também não era necessário, era abusar do rapaz, tá certo que ele tinha agido errado, mas o expor naquela situação era ridículo, que aquilo também estava errado, Mas o policial me mandou ficar quieto que ele sabia o que tava fazendo, E assim fiquei, até o vendedor de ovos e a viatura partirem. 

Falei pro Seu Luiz que essa história era inacreditável. Impossível de acontecer. Coisa que ele negou. Jurou de pé junto que era verdade. Perguntei se eu poderia escrevê-la pra compartilhar com o povo da Reju. 

Ele me mirou os olhos e, bem sério, disse que poderia. Com uma condição. Que o seu nome verdadeiro fosse omitido. Alterado para Seu Luiz, Porque nunca se sabe, né.

Danilo Lago - REJU SP