Pela Promoção dos Direitos das Juventudes

Rede Ecumênica da Juventude (REJU)

Notícias

Opinião: #REJU5anos, o que temos a dizer?

Daniel Souza

Pelas primaveras de 2007, em uma reunião do Fórum Ecumênico Brasil (FE Brasil), nasce um projeto: a criação de uma Rede Ecumênica da Juventude, com o objetivo de articular distint@s jovens na garantia e efetivação de direitos juvenis. Mas com algo em seu pulsar, as vivências ecumênicas. Em seu coração, em seu movimento, deveria existir a busca pela construção de uma casa-comum realmente habitável para todas as pessoas, com justiça e equidade! Um projeto que também buscava superar hiatos entre juventude e ecumenismo, decorrentes do duro período de ditadura civil-militar do Brasil. Tanto que para muit@s jovens, ecumenismo parecia ser uma “novidade”...

Em dezembro do mesmo ano, nascem as primeiras Jornadas Ecumênicas da Juventude, com o importante apoio de organizações ecumênicas como CESE (Coordenadoria Ecumênica de Serviço) e KOINONIA – Presença Ecumênica e Serviço. Os lugares: Rio de Janeiro e Recife. Nascem as primeiras regionais: Sudeste e Nordeste. Com o passar do tempo, outras Jornadas. A REJU nasce no Sul e no Centro-Oeste. Por fim, a rede é estabelecida na região Norte, a nossa organização mais recente. Agora estamos nos seguintes estados: Pará, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Distrito Federal, Paraná, Rio Grande do Sul... em conselhos municipais e nacional de juventude, em fóruns ecumênicos e de juventude...

Movimentos juvenis, corpos que se encontraram. Redes que foram tecidas, entrelaçadas. Foram tecidos sentidos e lutas, paixões e desejos, com gente cristã (protestante histórica, católica, pentecostal), gente de candomblé, gente budista, gente sem religião. Gente de movimentos sociais e de caminhadas em prol da efetivação de direitos. Somos ecumênic@s em seu sentido mais amplo, diverso e plural, guiando-se pelo fôlego que nos mantém viv@s.

Assim nasce a REJU! Espaço onde falamos não de coisas, estruturas ou pesos institucionais. Mas falamos de pessoas, construímos relacionamentos que dão poder, resistem e transformam. Assim começa a Rede Ecumênica da Juventude, embalada nos ventos de primavera, nos sonhos de nossas gentes, nos nossos desejos, buscando a radicalização da democracia; a superação de intolerâncias (especificamente a religiosa e a sexual) e a defesa da liberdade e a diversidade das formas de se viver e de se construir; a efetivação de uma justiça socioambiental; a busca pela equidade de gênero; e a garantia de se viver como jovens, em suas ambiguidades e modos distintos, jovens como sujeitos de direitos e protagonistas de suas histórias.

O tempo passou rápido. Ainda estamos nos construindo enquanto rede, enquanto espaço de criação, partilha e fortalecimento. Espaço em que vamos nos elaborando em nossos modos de acontecer, ultrapassando fronteiras, forjando unidades em nossas lutas e ao mesmo tempo evidenciando nossas diferenças e particularidades.  #REJU5anos: um tempo em que fomos tecendo redes, apertando nós, afrouxando encontros, acolhendo tecidos, vendo outros se rasgar, costurando alguns, perdendo outros. Redes que nós mesmos fizemos, em nossos encontros, em nossas festas e em nossas lutas diárias. Somos este movimento de relações humanas. Uma teia que nasce de corpos em sua busca de sentido e dignidade de vida. O caminho permanece aberto, novos & velhos panos, novas & velhas lutas, novos & velhos cantos... Um bom tempo, com novos trajetos, é o que desejamos para esta rede que apreendemos a chamar de nossa, onde nos deitamos para sonhar com um outro mundo, outros jeitos de viver; onde nos fortalecemos em nossos nós para ensaiar, dia a dia, um outro projeto de casa-comum, em rebeldia e desconstrução/reconstrução. A rede está ai, com pontas e tecidos para que outr@s se juntem neste novo período que se segue, a partir de novos ventos de primavera! Vivamos a REJU! Feliz 5 anos! 

Daniel Souza é teólogo e atualmente é facilitador nacional da REJU e conselheiro do Conselho Nacional de Juventude (CONJUVE).

Opinião: #REJU5anos o que temos a dizer?