Pela Promoção dos Direitos das Juventudes

Rede Ecumênica da Juventude (REJU)

Notícias

Que o ódio passe e o amor permaneça!

Nós, jovens de diferentes religiões e comunidades de fé, defendemos uma sociedade plural, livre do ódio e que respeite todas as formas de amor.

Somos uma juventude incomodada, nascida em meio ao processo de redemocratização brasileira e escolhemos lutar por um Brasil mais justo e plural.

Incentivamos o diálogo, a leitura, a busca por compreensão, os diferentes pontos de vista.

Nos últimos dias, nossas vidas tem se alternado entre momentos de alegria e de apreensão: alegria por conquistas efetivas para a população jovem como o Estatuto da Criança e do Adolescente, Estatuto da Juventude, Estatuto da Igualdade Racial; de apreensão, pelo discurso do ‘que há de vir’, pela promessa de alteração e endurecimento de leis, pela homo-lesbo-transfobia, pela criminalização das juventudes, em especial, a negra, pobre e das periferias.

A decisão por uma candidata, um candidato ou partido é uma escolha individual; lembre-se que isso implica em medidas, políticas públicas, decretos e propostas de leis que podem alterar significativamente a qualidade de vida de toda a população brasileira.

Que sejamos modelo de diálogo e tolerância. Que saibamos viver o respeito às diferenças que tanto louvamos!

Os próximos anos de governo não podem deixar de trabalhar com excelência a temática dos direitos humanos e da juventude, combatendo qualquer ato de intolerância religiosa, de homo-lesbo-transfobia, de racismo, de xenofobia, de criminalização dos movimentos sociais e do extermínio da juventude. A democratização dos meios de comunicação e uma reforma politica que garanta paridade na representação de mulheres, negros/as, LGBTs, precisam ser encaradas como prioridade.

Sabemos que todas essas reinvindicações são de ampla complexidade e de difícil solução e por isso ousamos proclamar:

Nenhum direito a menos, nenhum passo atrás e toda justiça social a mais!


Neste segundo turno das eleições, vamos escolher pessoas, partidos, coligações e planos de governo que nos representem de fato, que ouçam nossa luta em prol de uma sociedade mais igualitária e sem pobreza.

Que a Juventude expresse nos votos e nas ruas qual o projeto de Brasil ela quer: se deseja um país que caminha para frente ou que retroceda. Que se considere, nessa escolha, um projeto de equidade, de solidariedade, de aprofundamento da democracia, tão importante para toda a cidadania brasileira.

Nesses termos, lançamos esta Nota, e damos fé de nossa esperança nas pessoas, de nossa inevitável luta pela construção de um Brasil mais justo, mais igualitário e mais feliz para todos/as!

Brasil, 09 de outubro de 2014.
CONAJE - Conselho Nacional da Juventude Evangélica – IECLB
Mutirão – Espíritas pelos Direitos Humanos
Pastoral da Juventude de São Paulo - ICAR
REJU- Rede Ecumênica da Juventude

RENAFRO- Rede Nacional de Religiões Afro-brasileiras e Saúde

eleições