Pela Promoção dos Direitos das Juventudes

Rede Ecumênica da Juventude (REJU)

Notícias

11 Resultados da Busca para Tagdireitos

​Durante os dias 17 a 19 de setembro de 2009, jovens de igrejas diversas (Batista, ICAR, IEAB, IECLB, IELB e Igreja da Suécia), militantes de pastorais e movimentos sociais, provenientes de diversas localidades (RS, SC, PR, RJ e DF), reuniram-se no Centro de Espiritualidade Padre Arturo (CEPA), em São Leopoldo/RS, para mais um Curso de Formação em Ecumenismo, com a temática "Direitos e Deveres: a vida em nossas mãos". O Curso teve por objetivo oportunizar um espaço de formação em torno dos Direitos Juvenis, promovendo uma espiritualidade e vivência ecumênica para juventudes; partilhar práticas desenvolvidas gestando e articulando ações coletivas das juventudes em redes de cooperação; fortalecer e ampliar a Rede Ecumênica de Juventude na região sul a partir da promoção dos Direitos Juvenis. Continuar lendo
​No sábado, dia 16 de Abril, a REJU-SP reuniu seus integrantes e convidados na aconchegante Paróquia Anglicana da Santíssima Trindade, em São Paulo. Éramos cerca de 30 pessoas. Quantidade mais que suficiente para ratificar a face diversa da REJU-SP, o grupo foi composto por cristãos católico-romanos, anglicanos, luteranos, metodistas, presbiterianos, batistas e pentecostais, além da presença de pessoas da umbanda, agnósticos da militância político-social e outras/os sem confissão religiosa. Continuar lendo
Nós, jovens da Rede Ecumênica da Juventude (REJU) - uma mobilização, a partir de distintas vivências de espiritualidade, para incidir em Políticas Públicas de Juventude e partilhar experiências para a garantia de direitos – reafirmamos a pluralidade da juventude e a sua importância como sujeitos políticos de nossa sociedade. Continuar lendo
Na terça-feira (21 de abril), a Rede Ecumênica da Juventude em São Paulo (REJU-SP) realizou a "Vigília Ecumênica contra a redução da maioridade penal". Ao enfrentarmos as tentativas de mudança na lei, também enfrentaremos toda a argumentação religiosa fundamentalista que deseja legitimar essa violação de direitos. Continuar lendo
A luta por políticas públicas de Juventude é no Brasil, um esforço de várias gerações. Nos anos 80 (Séc. XX) o processo de redemocratização do país e a mobilização à cerca da temática dos direitos da criança e do adolescente, nos legou a inclusão na Constituição Federal do artigo 227 e como desdobramento a elaboração do (ECA) Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/90) abarcando adolescentes entre 15 e 18 anos. Em 1995, a Organização das Nações Unidas (ONU) elabora e aprova o (PMAJ) Programa Mundial de Ação para a Juventude e convoca os países-membros a pensarem estratégias para o presente e o futuro dos jovens, bem como a conceberem uma Política Nacional de Juventude. Nesse período, o contexto social brasileiro é marcado por uma explosão demográfica, em que jovens na faixa etária entre 15 e 29 anos representavam 29% da população e pela escassez de políticas públicas específicas para esse segmento populacional (as poucas que havia, possuía um caráter assistencialista),sobretudo no que se refere ao jovem com idade superior a 18 anos, estes encontravam-se inseridos nas políticas sociais voltadas às demais faixas etárias. Continuar lendo