Pela Promoção dos Direitos das Juventudes

Rede Ecumênica da Juventude (REJU)

Notícias

Um caminhar que se faz na dinâmica das juventudes: Escolha da nova facilitação nacional da REJU

14-12-2016

Concluindo em 2017, três anos da facilitação nacional de Edoarda S. Scherer, a REJU, pela primeira vez as 5 regiões do Brasil representadas e com a contribuição e considerações do FE ACT Brasil, propõem a partir de um consenso, a nova facilitação nacional. 

Conheça o processo de escolha: 

A REJU é rede formada e protagonizada pelas juventudes no Brasil que buscam, a partir de distintas formas de espiritualidades, a efetivação de direitos. Assim, somam-se forças nas esferas sociais, políticas e religiosas com ações pela superação das intolerâncias, reunindo jovens de diferentes localidades, comunidades, movimentos e religiões. 

A REJU está presente em mais de 18 Estados nas cinco regiões do país e de mobilizações nacionais do próprio movimento ecumênico, como o Fórum Ecumênico ACT Brasil; e de outros movimentos, conselhos de direitos, e coletivos e comunidades que acompanham a caminhada dos jovens que a integram. 

Ser rede propõe o desafio da unidade intrarreligiosa, unidade inter-religiosa e unidade na luta pela justiça; na busca constante da horizontalidade, com foco na participação pessoal, para além da representação institucional, construída de maneira conjunta, com os sonhos e a coragem de cada pessoa que a vivencia. 

Este processo contempla quatro momentos: 

a) a composição de um Grupo de Trabalho para acompanhar e encaminhar o processo, de transição. Este GT foi definido no encontro nacional da Juventude Ecumênica, realizado em novembro de 2016, representado pelas 5 regiões do País. Possui a tarefa de acolher as sugestões enviadas pel@s integrantes da rede, bem como de colaborar na transição e em outros encaminhamentos do processo de escolha da nova facilitação nacional;

b) o lançamento do processo de indicação ao dia 15 a 31 de dezembro de 2016;

c) escolha d@ facilitador@, que se dará por consenso no Grupo de Trabalho, a partir das indicações e da análise da caminhada da rede e do perfil esperado;

d) a transição para a nova facilitação nacional. 

Qual o cronograma?

a) 15/12/2016 a 31/12/2017: indicações dos nomes para a nova facilitação nacional;

b) janeiro de 2017: escolha e transição da nova facilitação;

c) Janeiro a agosto 2017: período de transição do nome escolhido. A facilitadora ou facilitador passa a articular a rede nacional, com auxílio da facilitação anterior. 

d) Reunião do FE ACT Brasil de 2016: nova facilitação é apresentada na reunião do FEACT Brasil.

Quem compõe o Grupo de Trabalho (GT) de Transição?  

Rafael Almeida (norte), Thalia Jaqueline Schuh (Sul), Érika Santos (Centro oeste), Tairine Pimentel (nordeste), Mattheus Leão (sudeste) e Edoarda S. Scherer (Facilitadora Nacional). 

O que se espera d@ Facilitador@ Nacional?

a) Compreensão da metodologia da REJU: construção coletiva dos saberes, horizontalidade, autogestão e sistematização das ações, agregar juventudes nas suas diferenças, potencializar novas lideranças, novas mobilizações;

b) Caminhada na REJU: afinidade com os princípios da rede e atuação em relação aos eixos definidos para o biênio (2017 – 2018) e experiência na caminhada de sua articulação local e regional.

c) Disponibilidade voluntária para a REJU: disponibilidade para representação da rede em diferentes espaços de incidência política no diálogo com os movimentos sociais e com o movimento ecumênico. Possuir disponibilidade para o trabalho voluntário para o diálogo com jovens e instituições que compõe o FE ACT e espaços que queriam somar-se a causa ecumênica. Possuir disponibilidade, para que de forma voluntária, analise editais, redija projetos e se responsabilize pela prestação de contas e organização contábil da rede. 

Qual a função d@ facilitador@ nacional?

A facilitação nacional articula diferentes níveis de diálogos da rede no país, bem como estabelece conexões contínuas com o movimento ecumênico (FE ACT Brasil) e coletivos sociais. É uma voz de conexão e interação comum das regionais da REJU (Estados) para operacionalização da rede nacional. 

É atribuição da facilitação responder e representar a rede junto às organizações, para que de forma voluntária, analise editais, redija projetos e se responsabilize pela prestação de contas e organização contábil da rede e pelo acompanhamento desses projetos a nível nacional. 

A facilitadora ou facilitador, deve respeitar as particularidades de cada local, Estado e Região, potencializando a rede a partir da contribuição de cada integrante que se soma a REJU.

Como ocorrerá a indicação?

Cada participante da REJU pode indicar, a partir dos critérios apresentados, uma pessoa da rede para a nova facilitação nacional. Após o recebimento de todas as sugestões, o GT de transição dialogará com as pessoas indicadas e chegará a um consenso. Também receberemos contribuições do movimento ecumênico, especificamente da coordenação do FE ACT Brasil.

A indicação pode ser realizada pelo link abaixo, por integrante de alguma das regionais da REJU:

Processo de escolha da nova Facilitação Nacional da REJU  

reju juventude facilitação nacional