Pela Promoção dos Direitos das Juventudes

Rede Ecumênica da Juventude (REJU)

Desenvolvimento e Justiça Socioambiental

Em uma sociedade caracterizada pelos avanços tecnológicos e pela produção industrial massiva, é necessário que se pense em alternativas que possibilitem um mundo habitável diante da escassez de recursos.

Face a um sistema opressor, que tem como principal objetivo a lucratividade desenfreada, a Rede Ecumênica da Juventude reconhece e incentiva as discussões sobre um modelo de desenvolvimento alternativo, capaz de levar em consideração  os aspectos sociais, econômicos e ambientais, além de promover a harmonia e igualdade entre os seres humanos.

A justiça socioambiental engloba as estratégias de políticas públicas, abrangendo as demandas de lutas sociais históricas que criticam e repensam a manutenção da estrutura de poder atual, que está intimamente ligada ao acúmulo de capital e à manutenção da propriedade privada que não cumpre sua função social, tendo por consequência a destruição do ambiente natural, de culturas e sociedades tradicionais.

Reconhecemos a relação de interdependência entre todos os setores de vida presentes no planeta Terra, e estamos cientes das consequências que se apresentam quando estes elos são alterados. Para isso, assumimos o compromisso de auxiliar na preservação e manutenção da vida no planeta.

Como isso ocorre na REJU: A REJU publica livros, além de artigos e vídeos relacionados ao tema; promove e participa de campanhas e debates a nível latino-americano, nacional, regional e local; divulga iniciativas e também é um canal de denúncia de violações de direitos.

Através desta pauta, a REJU integra-se às demandas relacionadas à qualidade de vida na cidade, no campo e demais territórios, como no cárcere, igrejas, escolas, universidades e periferias.

Participa de campanhas junto de parceiros nacionais e mantém contato com a juventude latino-americana, através da Fundação Universal dos Estudantes Cristãos –América Latina e Caribe (FUMEC-ALC).

Linhas de ações para o biênio 2015-2016:
Questões locais: 
  • patrimônio genético;
  • conservação de sementes;
  • agrotóxicos;
  • saúde alimentar.

Questões comunitárias
  • agricultura familiar;
  • reformas agrária e urbana;
  • comunidades tradicionais;
  • economia solidária.

Questões macro
  • modelos de desenvolvimento;
  • eco-justiça;
  • modelos econômicos;
  • modelos “verdes” alternativos;
  • cultura do consumo.