Pela Promoção dos Direitos das Juventudes

Rede Ecumênica da Juventude (REJU)

Histórico

Nossa trajetória

A Rede Ecumênica da Juventude (REJU) foi criada em 2007, pelo Fórum Ecumênico Brasil (FE Brasil), uma articulação de organizações ecumênicas, comunidades religiosas e movimentos sociais em prol da promoção dos direitos humanos, econômicos, sociais, culturais e ambientais (DHESCA). Desde 2011, o FE Brasil integra a ACT Aliança. Confira mais sobre o FE ACT Brasil no link: 

A REJU surge com a perspectiva de ser um espaço que favorecesse a construção de redes regionais ecumênicas das juventudes, para a promoção dos direitos juvenis e o diálogo contra a intolerância reunindo jovens representantes de diferentes localidades, movimentos, religiões e entidades, tendo em vista que essa parcela da população sofre inúmeras violações de direitos.

A rede possuí, desde sua proposta inicial o obetivo do: fortalecimento político das ações das juventudes; o apoio e intercâmbio para a garantia de direitos das juventudes; estimular a capacitação e articulação das juventudes para que ocupem espaços de protagonismo em meio à institucionalidade governamental e não-governamental; ser um organismo de debate e reflexão sobre a violação e superação dos direitos das juventude.

O processo de consolidação da Rede Ecumênica pela Promoção dos Direitos Juvenis foi desenvolvido com a realização das: Jornadas Ecumênicas regionais das juventudes (Jornada Ecumênica do Sudeste - 2007, Jornada Ecumênica do Nordeste - 2007, Jornada Ecumênica do Sul - 2008 e Jornada Ecumênica do Centro Oeste - 2009); Redes regionais; Reuniões de coordenações regionais; Encontros estaduais;  e a 4a Jornada Ecumênica (2010) - âmbito nacional. 

Como marco do aniversário da REJU destaca-se a realização da 1º Jornada Regional da Juventude Ecumênica na região do Sudeste, no dia 1º de dezembro de 2007, na cidade do Rio de Janeiro (RJ).

Como processo significativo de consolidação da REJU, ainda como projeto do FE Brasil,  cabe destacar a “Campanha contra toda violência à juventude do Brasil” ,  que ocorreu em 2008 no âmbito nacional, com a metodologia dos CineClubes (Cf. Carta); e o Curso de Capacitação de Lideranças da Rede Ecumênica da Juventude, realizado no Rio de Janeiro, nos das 27 a 31 de julho de 2009. 

Além disto, cabem sinalizar outras ações: com as regionais protagonizadas pelas juventudes, ocorre uma mobilização para participação da juventude ecumênica na 4ª Jornada Nacional Ecumênica em 2010. Nesta articulação a REJU norte passa a existir. 

Em 2011 a REJU lança a Campanha Nacional Contra a Intolerância Religiosa e realiza seu primeiro Encontro Nacional, mobilizando as juventudes em paralelo a 2ª Conferência Nacional da Juventude. Em 2012 participa da Cúpula dos Povos, Rio+20, na Tenda Religiões por Direitos articulando juventudes na Caravana da Juventude Ecumênica.

Desde o seu início, a REJU enfoca a incidência pública como algo central. Para isto, realiza campanhas nacionais e locais, que possuem como um de seus horizontes a incidência na efetivação de Políticas Públicas de Juventude (PPJ’s).

Com este foco em PPJ’s, a atuação da REJU ocorre em três níveis: representativo, em nível federal, junto aos espaços de articulações da Secretaria Nacional da Juventude, através da sua integração na vice-presidência do CONJUVE; na Secretaria Nacional da Presidência da República, com a participação no Comitê Nacional de Respeito à Diversidade Religiosa Secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República; ainda, em nível regional, nos Estados; e local, nos municípios, em comunidades de base, instituições municipais (conselhos de juventude), educacionais. Ainda destaca-se sua participação, da REJU no ano de 2014, na Assembleia Geral da ONU, nas reuniões do 3ºComitê.

Para a execução de seu trabalho em rede a REJU possui diálogo direto com às organizações parcerias e ao Fórum Ecumênico ACT Brasil (FEACT Brasil), no intuito de colaborar com as juventudes na elaboração de determinadas temáticas e trabalhos. Atualmente, a REJU possui a assessoria de KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço, da Coordenadoria Ecumênica de Serviço (CESE), da Fundação Luterana de Diaconia (FLD), CEBI (Centro de Estudos Bíblicos) e do Conselho Latino-Americano de Igrejas (CLAI).

Somam-se parceiros como PASUNE (Pastoral Universitária Ecumênica), FUMEC ALC (Fundação Universal de Estudantes Cristãos da América Latina e Caribe) e Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC) Além disto, há uma importante articulação covimentos sociais ligados à “Jornada de Lutas da Juventude”, como o Movimento das Trabalhadoras e Trabalhadores Sem Terra, o Levante Popular da Juventude, a Marcha Mundial de Mulheres, o Fora do Eixo, entre outros. A REJU mantém, também, diálogo com instituições eclesiais e organismos universitários, ganhando espaços representativos juntos a coordenações, comitês, grupos de trabalho.

Ressalta-se que suas conquistas são possíveis diante da articulação realizadas nos variados municípios em 13 (treze) Estados do Brasil (que podem ser conferidos nas  REJUs Regionais). 

A REJU aposta nas deliberações e poder de transformação e no potencial das juventudes. A prática ecumênica passa a fazer história em meio a nossos 7 anos de trajetória. Um trabalho possível graças ao voluntariado e ousadia de jovens que sonham em tornar sua realidade e a do próximo e melhor a cada dia.

Confira: Carta de Itaici – Palavras da juventude ecumênica da 4ª Jornada Ecumênica Nacional.
http://www.projornada.org.br/uploads/CARTADAJUV...