Pela Promoção dos Direitos das Juventudes

Rede Ecumênica da Juventude (REJU)

Sobre a Rede Ecumênica da Juventude

O que é a Rede Ecumênica da Juventude (REJU)?

Rede formada e protagonizada pelas juventudes no Brasil que buscam, a partir de distintas formas de espiritualidades, a promoção dos direitos juvenis. Para tanto, busca-se o diálogo nas esferas sociais, políticas e religiosas com ações pela superação das intolerâncias. A REJU reúne jovens representantes de diferentes localidades, movimentos, religiões e entidades nas cinco regiões do país, com atividades relacionadas ao:

  • fortalecimento político das ações das juventudes;
  • apoio e intercâmbio para a garantia de direitos das juventudes;
  • estímulo da capacitação e articulação das juventudes para que ocupem espaços de protagonismo em meio à institucionalidade governamental e não-governamental;
  • debate e reflexão sobre a violação e superação dos direitos das juventude.

A REJU, em seu nome se evidencia elementos que compõem sua identidade e organização. Para isso é necessária a  compreensão de:

Rede: 

A REJU é compreendida como uma relação e organização entre pessoas, que orientadas pela construção de eixos de unidade e evidência de diferenças e pluralidades, colocando-se em uma dinâmica de abertura. Ao ser rede, a REJU possibilita a busca por relacionamentos horizontais, não hierárquicos, entre as (os) participantes. Na REJU há a figura de facilitadoras (es) regionais e nacional, jovens que mediam contatos entre indivíduos e instituições. Contudo, o protagonismo e liderança para falar, representar e propor ações em nome da REJU é legítimo a qualquer integrante da rede. 

Ao somar forças a rede conecta e possibilita pontes em diferentes esferas, políticas, religiosas e sociais, potencializando cada uma de suas ramificações em seus três níveis de atuação: local (município, bairro, comunidade de fé, associações); regional (Estados) e nacional (composta pelo conjunto das regionais e a atuação junto as instituições parceiras).

Para a manutenção da dinâmica de rede, a REJU realiza reuniões e conversas virtuais e presenciais constantes, para a proposição, definição e execução dos encaminhamentos em todos os âmbitos. Além disto, a REJU realiza o seu Encontro Nacional*, que consiste em um ponto fundamental para manutenção, avaliação e articulação da rede, reunindo presencialmente jovens do Brasil para pautar as demandas específicas para a atuação da REJU a cada biênio. 

Ecumênica: 

Para a REJU, o ecumenismo é compreendido em seu sentido mais amplo, como um movimento, uma ação: a busca por se construir uma casa comum (oikoumene) realmente justa e sustentável para todas as pessoas e a criação.

O ecumenismo, neste sentido, acontece como uma posição prática e cotidiana, que resulta em uma incidência política orientada pela justiça e a alteridade, no sonho por se viver “outros mundos possíveis”. 

Ser ecumênica (o), portanto, é um compromisso, uma mística, que acontece em três dimensões: 
  1. a unidade intra-religiosa, em que se busca construir uma interação e respeito no interior de cada tradição religiosa e comunidade de pertença (ex.: a unidade das cristãs e dos cristãos); 
  2. a unidade inter-religiosa, em que se procura estabelecer pontes de diálogo, fraternidade/solidariedade e interação por ações transformadoras entre pessoas de distintas vivências de fé;
  3. a unidade na luta pela justiça, paz e integridade da criação. 

Assim, o ecumenismo proposto e vivido pela REJU vai além do diálogo cristão e institucional, integrando jovens de distintas expressões de fé e espiritualidades,  com e sem vivências religiosas, falando desde distintos lugares e diferentes modos de viver e atuar no mundo.

Juventude: 

A REJU é uma rede de jovens com faixa etária entre 15 a 29 anos, do campo e da cidade, de distintas origens religiosas e experiências de fé e sem vinculação religiosa ou religiões possuindo diferentes lutas em movimentos sociais e populares e iniciativas ecumênicas. A rede compreende juventude desde a pluralidade, as múltiplos percursos e construções identitárias e a interpretação da (o) jovem como sujeito de sua vida, sujeito de suas trajetórias, sujeito de direitos.


* Confira as cartas dos encontros Nacionais na íntegra: